Conhecendo um pouco mais as bolsas de moedas.

Você sabe como funciona uma bolsa de moedas?

No mundo todo existem algumas dezenas e os serviços prestados por elas são basicamente o seguinte:
1. intermediação de compra e venda de moedas – cada cliente faz um cadastro e recebe carteiras onde pode depositar suas moedas: Bitcoin, Ethereum, Litecoin, enfim todas as que a bolsa oferece intermediação. O depósito e o saque são isentos de tarifas. A partir do saldo disponível você pode oferecer suas moedas para venda em dólar ou Bitcoin (caso seu saldo seja em outro tipo de moeda) ou compra (a partir de seu saldo em dólar ou Bitcoin). Como o preço das moedas oscilam fortemente ao longo do dia, são bastante boas as chances de conseguir ganhos na troca das moedas. Para cada transação concluída, a bolsa cobra uma taxa entre 0,15% e 0,25%, portanto é preciso uma valorização superior ao dobro desses percentuais para apuração de nosso lucro líquido, o que ocorre com bastante frequência.
2. negociação de margens – a utilização desse serviço oferece risco maior ao cliente, mas ao mesmo tempo permite realizar negócios com recursos de terceiros, garantidos por seu saldo disponível. Digamos que você possua saldo de US$ 100,00. Para negociação nessa modalidade, transfere-se o valor disponível para uma carteira específica. A partir daí, é possível comprar até US$ 200,00 em outras moedas (o percentual de acréscimo pode variar em função de condições estabelecidas pela bolsa, tais como volume negociado e saldo depositado). Nessa transação de compra é preciso especificarmos o tipo da moeda a ser adquirido, o valor oferecido para compra e a taxa diária que estamos dispostos a pagar pelo uso dos recursos emprestados. Uma vez concluída a transação, os juros começam a valer o vão se acumulando até o momento em que realizamos a venda e a liquidação da operação. Nesse momento são deduzidas a tarifa de venda, os juros acumulados e o restante é disponibilizado em nossa carteira. Caso os ganhos não sejam suficientes para cobrir os custos operacionais, o restante é deduzido de nosso saldo. São operações de altíssimo risco para pessoas inexperientes. Cuidado!
3. negociação de empréstimos – na outra ponta do negócio de margens, existe a possibilidade de oferecermos nossos recursos a terceiros, com garantia de liquidação pela bolsa. Nesse caso, também disponibilizamos os recursos em conta específica e, a partir daí, podemos realizar diversas ofertas com valores mínimos de 0,01 BTC cada (mais ou menos US$ 11,00) e as taxas que desejamos cobrar, o prazo máximo desejado e se as renovações serão ou não automáticas. Nossas ofertas são publicadas em relação em uma lista que está em ordem de taxa (as menores primeiro) e caso encontrem interessado, os negócios fecham e começam imediatamente a render. Os rendimentos são creditados em nossa conta específica junto com o principal assim que expire o prazo da oferta, não ocorra a renovação automática ou o tomador decida pela liquidação antecipada.
Sobre o valor do ganho obtido, a bolsa cobra uma taxa de 15%. Apesar da expectativa de ganho menor essa possibilidade pode ser bastante melhor do que as duas anteriores, uma vez que podemos obter ganhos líquidos mensais bastante superiores à maioria dos investimentos comuns existentes e com risco quase zero. Como exemplo simples, um empréstimo realizado com taxa diária de 0,9% ao dia com prazos de 2 dias poderá ser renovado até 15 vezes no mês acumulando ganhos de 2,32% líquidos no mês. Se dobrarmos essa taxa, dificulta a efetivação do negócios, mas o resultado final poder ser maior.
Em todos os casos, o risco maior se restringe ao fechamento da bolsa, situação em que podemos perder todos os recursos. Mas como trata-se de um negócio extremamente lucrativo para todos, principalmente para a bolsa, acreditamos ser improvável que isso ocorra em curto/médio prazo.

Ótimos negócios para todos! Se quiser trocar idéias sobre investimentos escreva para bitcoin@terrenosjundiai.com.br ou deixe seu comentário aqui mesmo.

Deixe uma resposta